Restauração dos vitrais do Santuário Diocesano de São Sebastião está concluída
Vitrais Santuário Diocesano de São Sebastião, Porto Ferreira SP

Desde o dia 20 de maio os ferreirenses e os visitantes peregrinos que estiveram no Santuário Diocesano de São Sebastião puderam observar conclusão do trabalho de restauração dos vitrais da Igreja Matriz de São Sebastião. Nesta última etapa, foram recolocados os vitrais da parte inferior do tempo devidamente restaurados. No último dia 25 de maio, o Padre Luis Fabiano Canatta, reitor do santuário, fez a benção dos vitrais diante de milhares de de pessoas que participaram da missa dominical.

Os vitrais que hoje compõem o Santuário de São Sebastião precisavam urgentemente de restauro, pois estavam danificados pela ação do tempo e pela poluição. As vidraças sempre foram um detalhe especial na ornamentação da Matriz.

Num primeiro momento foram retirados os vitrais superiores e na segunda etapa os vitrais da parte inferior, as chamadas rosáceas (vitrais redondos). O trabalho completo de restauração demandou quase nove meses de trabalho somando-se todas as etapas, desde as visitas dos técnicos, a retirada, o restauro e a recolocação.

A novidade para os ferreirenses e também para todos os visitantes e peregrinos do Santuário foi à confecção de dois novos vitrais da torre direita do templo, aquela paralela à rua Dona Balbina.

De frente para a praça Cornélio Procópio foi colocado um vitral com uma pomba de asas abertas. “A pomba é o símbolo do Espírito Santo, para nos lembrar dos dons que recebemos do Espírito Santo ao longo de nossa vida, com os sacramentos que recebemos, são para que os coloquemos a serviço de Cristo na pessoa dos irmãos”, afirmou o reitor Luís Fabiano.

Ao lado da rua Dona Balbina, o vitral é estampado com a figura de outro pássaro, o pelicano. Segundo o padre “se trata de uma ave símbolo do Cristo Eucarístico, uma vez que o pelicano quando não encontra alimento para os filhotes, ele bica o próprio peito para que os filhotes se alimentem de seu próprio corpo”.

Para Luís Fabiano, “aqueles que estiverem diante do vitral deverão se lembrar de que na eucaristia está o verdadeiro alimento, o próprio Cristo que se faz alimento para saciar a nossa fome”.