Dengue Mata! Controle de Vetores faz Alerta Geral sobre situação de imóveis com criadouros do mosquito
Mosquito da Dengue - Aedes Aegypti

A Seção de Controle de Vetores da Secretaria de Saúde de Porto Ferreira iniciou no último dia 6 de janeiro a 1ª Avaliação de Densidade Larvária no município em 2021 (ADL), que é o método para medir os índices de infestação do mosquito Aedes aegypti nos imóveis e verificar os riscos para transmissão de arboviroses (dengue, zika, chikungunya) no início do ano.

Já nas primeiras visitas foi encontrado um número excessivo de criadouros dentro dos imóveis residenciais e comerciais, bem como água parada e larvas em sua maioria. Em apenas 3 dias de vistorias foram recolhidas 95 amostras em 51 quarteirões visitados pelos agentes de endemias. Ou seja, 50% do trabalho, tendo em vista que a avaliação será realizada em 101 quarteirões.

“Esses números são extremamente preocupantes, pois observa-se que os cuidados preventivos frente às arboviroses pela população não estão sendo efetivos. Com esses indicadores iniciais, fazemos um alerta geral para que sejam retomadas as medidas individuais da população em suas residências, realizando ao menos uma vistoria semanal em todo o imóvel, dentro de casa, quintal, área de lazer e serviço, ralos, piscinas, calhas, bebedouros de animais, enfim, todo e qualquer material que possa acumular um mínimo de água parada. Qualquer tampinha de garrafa deixada com água acumulada é criadouro de mosquitos”, explica a coordenadora Cláudia Elisa Barboza Beozzo.

Os imóveis cadastrados como pontos estratégicos (borracharias, empresas, reciclagens, oficinas, depósitos) e os imóveis especiais (empresas de grande porte, indústrias) também tiveram um aumento no número de recipientes com água e larvas. Esses imóveis são monitorados frequentemente e nos últimos 15 dias observou-se queda nos cuidados preventivos.

O mosquito Aedes aegypti é altamente adaptável a qualquer local que possa ter água empoçada e sem produtos químicos como detergente, sal, água sanitária, entre outros. Até mesmo a água turva e barrenta em pratos de vasos de plantas pode ser criadouro de mosquitos.

“Estamos em período de calor e temporada de chuvas torrenciais, em que qualquer recipiente em condições de acúmulo de água serve de criadouro do mosquito. Vale lembrar que o ciclo completo do mosquito, do ovo à fase adulta, é de aproximadamente 7 dias. E, portanto, o número de mosquitos adultos pode aumentar consideravelmente durante este período”, continua Cláudia.

Se há mosquitos transmissores de doenças como a dengue e houver um paciente com a doença e for picado, inicia-se a transmissão por meio de todos os mosquitos que picarem esse paciente. Após seu período de incubação do vírus, passam a transmitir pela picada em mais pessoas. Assim, iniciam-se as transmissões a grande parte da população que ainda não está imune aos quatro tipos de vírus dengue, zika e ou chikungunya.

Os cuidados com os criadouros ajudam a manter o município livre de doenças transmitidas pelo mosquito, como dengue, zika e chikungunya. “Em tempos de covid-19 também devemos prevenir as arboviroses que são doenças graves que ocorrem há muitos anos e têm afetado um grande número de pessoas ao longo do tempo”, disse a coordenadora.

Preocupar-se com a covid-19 é extremamente importante, mas os cuidados com a dengue também são essenciais. As duas doenças têm formas de transmissão diferentes e, portanto, corre-se o risco de contrair as duas doenças ao mesmo tempo se não houver os cuidados preventivos de eliminação dos criadouros de mosquitos de forma permanente.

“Para a covid-19 teremos a vacina! Para a dengue temos que eliminar os criadouros! Só assim evitamos a doença”.

Os agentes de endemias estão diariamente realizando as visitas aos imóveis do município e estão aptos a eliminar, orientar e ensinar à população todos os cuidados preventivos. Receba bem o agente em sua residência, tire suas dúvidas e siga as orientações preventivas. “Estamos em sua casa para colaborar com a sua saúde, com a saúde de sua família e com a saúde da comunidade como uma todo”, finalizou a coordenadora.