Aedes aegypti: 4ª avaliação de densidade larvária tem o menor índice do ano

A equipe de endemias do Controle de Vetores da Secretaria de Saúde de Porto Ferreira concluiu na primeira quinzena do mês de outubro a 4ª Avaliação de Densidade Larvária (ADL) do ano, conforme calendário do Ministério da Saúde, para avaliar os índices de infestação do mosquito Aedes aegytpi, neste momento.

Foi realizada uma amostragem em 603 imóveis nos bairros do município. Após a análise dos dados, verificou-se a oscilação dos índices nos períodos de janeiro a outubro de 2021.

ÍNDICES

JANEIRO

JUNHO 

AGOSTO 

OUTUBRO

Índice de Breteau: Infestação de Aedes no município

32.96 %

2.09%

4.24%

1.49%

Índice Predial: Percentual de imóveis positivos para Aedes

11.95%

1.77%

1.79%

1.33%

Índice de Recipientes: Percentual de recipientes positivos para Aedes

32.85%

2.37%

8.25%

13.7%

Com os dados atuais, observa-se que houve redução dos índices larvários nos imóveis do município de Porto Ferreira, hoje medido em 1.33%, ou seja, foi identificado que a cada 100 imóveis vistoriados, 1.3 estava com larvas de mosquitos Aedes aegypti. Este índice mantém o município em situação de “alerta” para casos de dengue, zika e chikungunya.

Observa-se também que, apesar dos índices de infestação de mosquitos estarem em níveis inferiores aos meses anteriores, o índice de recipientes potenciais criadouros de Aedes aegypti existentes têm aumentado. Esse é um fator preocupante, pois os ovos do mosquito resistem, mesmo secos, pelo período de aproximadamente um ano. O período de precipitação de chuvas já iniciado, juntamente com o calor e o acúmulo de recipientes existentes nos imóveis, colabora para o aumento de insetos vetores de arboviroses e consequentemente aumenta o risco de novos casos de dengue no período de férias e verão.

A população deve aproveitar esse período para desfazer-se de materiais inservíveis em suas residências e quintais, verificar e limpar as calhas entupidas, limpar as caixas d’água, limpar e tratar os ralos pluviais, retirar lonas espalhadas, realizar o tratamento das piscinas desativadas, enfim, continuar com as medidas preventivas em todo e qualquer recipiente que possa acumular água parada, evitando o aumento dos índices.

Deve-se observar também os criadouros no intradomicílio, como a bandeja de geladeira, bebedouros, pratos de vasos de planta, ralos de banheiros desativados e jardim de inverno, onde também o mosquito pode proliferar.

“Dessa forma, juntos, poderemos atingir índices menores de 1% na próxima avaliação, classificando como índice satisfatório para infestação de Aedes aegypti, contribuindo assim para diminuição dos casos confirmados de dengue em Porto Ferreira”, disse Cláudia Elisa Barboza Beozzo, coordenadora de Enfrentamento a Endemias.

A Seção de Controle de Vetores reforça para a população que o agente sempre estará uniformizado com camiseta branca de manga longa, bolsa, boné e crachá, todos com a com a identificação da Prefeitura e do Controle de Vetores.

O agente realizará a vistoria do imóvel, removendo juntamente com o responsável os materiais possíveis criadouros, fará a alteração de posição ou tratamento quando o recipiente não puder ser removido e reforçará as orientações para os cuidados dentro imóvel.

Qualquer dúvida, o morador poderá solicitar a identificação do agente e entrar em contato diretamente no Controle de Vetores pelo telefone (19) 3581-2299, em que será prontamente atendido.

Assessoria de Comunicação, Cerimonial e Eventos